17ª Parada Gay da cidade de São Paulo

2013 – “Para o armário nunca mais – União e conscientização na luta contra a homofobia.”

Numa tarde chuvosa de 02/06/2013 a Av. Paulista teve um publico de aproximadamente 4 milhões de pessoas na 17ª Parada do Orgulho LGBT, segundo os organizadores, sob o tema “Para o armário nunca mais – União e conscientização na luta contra a homofobia”, a Parada foi marcada por muitas manifestações de repúdio ao pastor e deputado Marco Feliciano, que tentava aprovar na Comissão de Direitos Humanos o projeto que autorizava tratamento psicológico e terapia para alterar a orientação sexual de homossexuais. O projeto, intitulado de “Cura Gay”, foi alvo constantes de protestos do movimento LGBT e de setores da sociedade civil.

“Não é só contra o Feliciano, é contra todos aqueles ‘infelicianos‘ que insistem em julgar os direitos dos outros em detrimento da sua heterossexualidade”, disse o ativista gay Nelson Matias, diretor da Associação da Parada do Orgulho GLBT (APOGLBT).

Matias reiterava que o pastor Marco Feliciano representava uma parte da sociedade formada por fundamentalista: “Vivemos uma época de retrocesso. Estamos vivendo como se estivéssemos na era das cavernas. Estado laico é colocado em dúvida. Não só os LGBTs, mas todos têm de lutar contra isso”, afirmava.

BannerParadaGay17

Cartaz trazia a programação do mês do Orgulho LGBT na Parada de 2013

“Não queremos voltar a viver em guetos ou ter nossas relações não reconhecidas”, afirma o presidente da Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (APOGLBT), Fernando Quaresma, que garante: “Para o armário a gente não volta mais. Para a clandestinidade e a marginalidade não voltamos mais”, dizia na reportagem do Brasil de Fato.

Para Quaresma em vez de retrocessos, o movimento reivindica avanços. “Queremos melhorias e a igualdade de direitos prevista em Constituição”, afirma. Uma das conquistas destacadas na reportagem foi à decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que em maio do mesmo ano, proibia cartórios de todo o país de recusar a celebração de casamento civil de pessoas do mesmo sexo ou de negar a conversão de união estável de homossexuais em casamento.

A parada contou com a presença de políticos como Fernando Haddad, Marta Suplicy e Jean Willys, somada a essas vozes esse ano a Parada trouxe em um dos trios elétricos a cantora Daniela Mercury que ao assumir sua união com a jornalista Malu Verçosa, se tornava referência na luta e resistência contra o preconceito.


LEIA MAIS


Por Alex Faria

Anúncios

Uma resposta em “17ª Parada Gay da cidade de São Paulo

  1. Pingback: Dia Internacional do Orgulho LGBT | Ciências Sociais Uninove

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s