O Conhecimento em forma de Sociólogo: Zygmunt Bauman

zygmunt-baumanOs amantes, adeptos e curiosos da Sociologia já sabem o poder que o conhecimento pode dar ao ser humano. E quando esse conhecimento é aprofundado e traz questões intrigantes e que nos tiram do eixo? A “brincadeira” fica mais interessante e a vontade de ir mais além é infinita!

Zygmunt Bauman tem esse dom de nos provocar, de nos tirar do sério, de fazer refletir o que somos, como nos vemos e o que estamos fazendo com o mundo em que vivemos. Nossas relações, nossos interesses, nossos sentimentos, nosso tempo… Bauman é provocador de sensações e inquietudes… Não te traz a calma da passividade, mas a fúria do estranhamento! Como resistir? #Impossível

Mas quem é Bauman? De forma resumida: “É o grande pensador da modernidade, a qual qualificou tão bem com o célebre conceito de “liquidez”. Perspicaz analista dos fatos cotidianos, o sociólogo tem vasta obra sobre temas contemporâneos, com destaque para o best-seller Amor líquido, fundamental para a compreensão das relações afetivas no mundo atual. Bauman nasceu na Polônia e mora na Inglaterra desde 1971. Professor emérito das universidades de Varsóvia e Leeds, tem mais de trinta livros publicados no Brasil pela Zahar, com enorme sucesso de público.” (site Zahar)

De forma mais completa e acadêmica: “Zygmunt Bauman é um dos sociólogos contemporâneos mais profícuos e expressivos. Seus livros têm sido lidos amplamente — concorde ou não com suas ideias —, especialmente, a partir da sua definição de modernidade líquida no início da década de 90. Uma das formas de se compreender o pensamento de um autor é conhecer a sua história, porém pouco se encontra sobre a vida de Bauman na literatura, exceto por um ou outro trecho muito pontual, sobretudo, em entrevistas. Neste sentido, o objetivo deste artigo é descrever e discutir fatos marcantes de sua vida, bem como autores, que influenciaram seu pensamento. Neste trajeto, sempre que oportuno, recapitulamos e discutimos conceitos fundamentais em sua obra como modernidade — sólida e líquida —, ambivalência, amor, entre outros…” (Artigo ZYGMUNT BAUMAN: VIDA, OBRA E INFLUENCIAS AUTORAIS – David Moiseis Barreto dos Santos / Doutor pela Universidade Federal da Bahia)

Zygmunt Bauman deu uma entrevista para o jornal El Pais, e causou muito buzz  na  internet (compartilhamento nas redes sociais): “As redes sociais são uma armadilha”

Trecho: Pergunta: As redes sociais mudaram a forma como as pessoas protestam e a exigência de transparência. Você é um cético sobre esse “ativismo de sofá” e ressalta que a Internet também nos entorpece com entretenimento barato. Em vez de um instrumento revolucionário, como alguns pensam, as redes sociais são o novo ópio do povo?

Resposta: “A questão da identidade foi transformada de algo preestabelecido em uma tarefa: você tem que criar a sua própria comunidade. Mas não se cria uma comunidade, você tem uma ou não; o que as redes sociais podem gerar é um substituto. A diferença entre a comunidade e a rede é que você pertence à comunidade, mas a rede pertence a você. É possível adicionar e deletar amigos, e controlar as pessoas com quem você se relaciona. Isso faz com que os indivíduos se sintam um pouco melhor, porque a solidão é a grande ameaça nesses tempos individualistas. Mas, nas redes, é tão fácil adicionar e deletar amigos que as habilidades sociais não são necessárias. Elas são desenvolvidas na rua, ou no trabalho, ao encontrar gente com quem se precisa ter uma interação razoável. Aí você tem que enfrentar as dificuldades, se envolver em um diálogo. O papa Francisco, que é um grande homem, ao ser eleito, deu sua primeira entrevista a Eugenio Scalfari, um jornalista italiano que é um ateu autoproclamado. Foi um sinal: o diálogo real não é falar com gente que pensa igual a você. As redes sociais não ensinam a dialogar porque é muito fácil evitar a controvérsia… Muita gente as usa não para unir, não para ampliar seus horizontes, mas ao contrário, para se fechar no que eu chamo de zonas de conforto, onde o único som que escutam é o eco de suas próprias vozes, onde o único que veem são os reflexos de suas próprias caras. As redes são muito úteis, oferecem serviços muito prazerosos, mas são uma armadilha.”

Para aqueles que amam leitura e claro, gostariam de ter pelo menos 1 livro de Bauman, preparamos um post com uma modesta lista de 26 obras completas do autor! 😮 Não é de pular de alegria e de compartilhar com os amigos? Livros de Zygmunt Bauman

Para os que preferem assistir um vídeo de boa qualidade, gostam de ver o autor falando suas ideias, calma! 🙂 Nós também pensamos em vocês e fizemos um post com 4 vídeos bem interessantes que misturam temas usando Bauman como base e o próprio autor falando sobre sua visão de mundo e análise social: Zygmunt Bauman em vídeo

Esperamos que o conhecimento seja prazeroso! 😉

Por Cinthia Almeida

Anúncios

Uma resposta em “O Conhecimento em forma de Sociólogo: Zygmunt Bauman

  1. Pingback: Volta as aulas 2017 | Ciências Sociais Uninove

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s